sábado, 17 de maio de 2014

DEPUTADO MINEIRO COBRA EXPLICAÇÃO SOBRE OS ALTOS SALÁRIOS PAGOS A ALGUNS PELO TJ/MG

SINDOJUS/MG solicitará audiência pública na ALMG para debater o assunto
Em reportagem do jornal O Tempo, edição desta quinta-feira, 15 de maio, o deputado Sargento Rodrigues, parceiro de primeira hora dos oficiais de justiça avaliadores, demais servidores do Poder Judiciário estadual e outras categorias do funcionalismo público mineiro, anuncia que vai apresentar, na próxima terça-feira, 20 de maio, na Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, requerimento cobrando do TJMG explicações sobre os altos salários pagos a 111 servidores e magistrados (veja mais informações aqui).
O SINDOJUS/MG vai além: oficiará o deputado reivindicando-lhes a solicitação à mesa da ALMG a realização de uma audiência pública na Casa para discutirem (deputados, servidores, Tribunal e representantes de outras entidades da sociedade civil ) a falta de transparência da administração do TJMG não só na questão salarial, mas também da execução orçamentária do órgão. Afinal, esses supersalários atinge uma minoria do quadro funcional do Tribunal, que, ao contrário, paga uma dos piores da federação, entre todos os TJs do país.
O Sindicato pergunta: até quando os trabalhadores do Judiciário mineiro vão continuar aceitando, calados, como verdadeiros cordeirinhos, essa situação contrastante de ostentação e miserabilidade no TJMG? Não seria a hora de todos os servidores se unirem e fazerem mais uma grande greve unificada no Judiciário mineiro? Afinal, através da greve os servidores podem defender tanto direitos quanto interesses, como garante o texto constitucional.
A seguir, a reportagem de hoje do jornal O Tempo:
TRANSPARÊNCIA
Deputado cobra discriminação dos salários do Judiciário
Caso dados não sejam fornecidos, CNJ será acionado
FLÁVIA CARNEIRO
ESPECIAL PARA O TEMPO
O deputado estadual Sargento Rodrigues (PDT) afirmou nessa quarta que vai apresentar, na próxima terça-feira, na Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa, requerimento cobrando do Tribunal de Justiça explicações sobre os altos salários pagos aos servidores.
Levantamento de O TEMPO publicado nessa quarta mostra que 112 funcionários receberam, no mês passado, salário acima do teto constitucional – remuneração de R$ 29.462,25, paga aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e que, em tese, não poderia ser ultrapassada por quaisquer outros servidores.
Além do assessor jurídico que recebeu remuneração de R$ 169.574,67 no mês passado, outros sete funcionários ganharam mais de R$ 50 mil, conforme dados publicados na folha de pagamento de pessoal de abril, disponível Portal da Transparência.
Sargento Rodrigues disse que “é um absurdo que um funcionário ganhe muito acima do teto constitucional”. Com o requerimento aprovado na comissão, o tribunal terá um prazo de 30 dias para enviar esclarecimentos aos deputados mineiros. “Caso o TJMG não explique esses valores exorbitantes, podemos fazer uma denúncia formal ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pedindo a correção desses salários”, explicou Rodrigues.
O TJMG divulgou nota informando que “os valores da remuneração dos servidores e magistrados, divulgados no Portal da Transparência e que estão acima do teto salarial estabelecido pela Constituição, decorrem de vantagens que não integram os salários para fins de redução, tais como o abono de permanência, os pagamentos eventuais de diferenças salariais retroativas, férias-prêmio, dentre outras. Há ainda os casos que decorrem de decisões judiciais que asseguram o pagamento acima do aludido teto remuneratório. Reafirma, assim, o respeito ao teto constitucionalmente estabelecido”.
Férias-Prêmio. A cada cinco anos trabalhados, o servidor tem direito a três meses de férias, as chamadas “férias-prêmio”. Até o ano de 2004, caso as férias não tivessem sido gozadas no período devido, o servidor poderia receber, vendendo as “férias-prêmio”, ou ser indenizado no ato da aposentadoria.
A partir de 2004, ficou proibido o pagamento em dinheiro porque quando o servidor ia se aposentar ele recebia a indenização com base no último salário, o que aumentava consideravelmente o valor.
Sindicato reclama da falta de transparência
O Sindicato dos Servidores da Justiça de 2ª Instância (Sinjus) acusa o Tribunal de Justiça de Minas de não ser transparente em seus atos. Segundo o coordenador geral do sindicato, Wagner Ferreira, desde a implantação da Lei de Acesso à Informação, o Sinjus enviou solicitação ao TJMG pedindo que o órgão discriminasse o salário com cada parcela paga aos servidores, no Portal da Transparência.
Ferreira informou que o tribunal não acatou o pedido e hoje o “cidadão não tem conhecimento de cada vantagem que compõe a remuneração”.
O coordenador do sindicato afirma ainda que os servidores do TJMG têm um dos piores salários entre os tribunais de Justiça do país, com valores iniciais de R$ 2.300 para nível médio e de R$ 3.600 para nível superior.”

sexta-feira, 16 de maio de 2014

EMBORA TENTANDO RESSUGIR DAS CINZAS A FOJEBRA PODERÁ PERDER FILIADOS

Em Assembleia Geral Ordinária a ser realizada no dia 07 de junho próximo, o Sindicato dos Oficiais de Justiça de Santa Catarina - SINDOJUS/SC, decidirá sobre a desfiliação da Fojebra e filiação à Fenojus.
NOTA: No mesmo mote o SINDOJUS/RN realizou AGO, hoje, dia 16.05.2014, objetivando entre outros, a desfiliação da FOJEBRA.

Veja o inteiro teor do Edital de Convocação:

quinta-feira, 8 de maio de 2014

PRESIDENTE DO TJ/CE NOMEIA SERVIDORES PARA ELABORAR O ORÇAMENTO DE 2015




Foi publicada hoje a Portaria nº 864/2014 da lavra do presidente do TJCE Luiz Brígido, versando sobre a nomeação de magistrados e servidores para comporem a Comissão Participativa de Elaboração e Execução do Orçamento e do Planejamento Estratégico do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, conforme indicação das respectivas unidades administrativas de lotação e das entidades representativas de classe dos magistrados e dos servidores do Poder Judiciário.

Os representantes classistas são os seguintes: pela Associação Cearense de Magistrados foram nomeados Antônio Alves de Araújo e a desembargadora Maria Vilauba Fausto Lopes. Pelo Sindojus-CE foi nomeado Mauro Xavier de Sousa e pelo Sindjustiça Sheila Viana Bezerra.

A missão do Sindojus-CE é garantir para o orçamento de 2015 os recursos necessários para o atendimento dos pleitos da categoria dos oficiais de justiça, para isso serão estabelecidos canais democráticos de comunicação para a coleta de sugestões dos colegas.

Fonte: SINDOJUS/CE
Publicado em MeirinhoMorOficial por RUI RICARDO RAMOS

OFICIAIS DE JUSTIÇA MINEIROS EM ESTADO DE GREVE - ACORDO DESCUMPRIDO

O SINDOJUS/MG protocolou na quarta-feira, 30 de abril, ofício no TJMG comunicando ao presidente, desembargador Joaquim Herculano Rodrigues, a deliberação dos oficiais de justiça avaliadores mineiros, na Assembleia Geral Extraordinária do sábado, 26, de iniciar o “estado de greve” da categoria a partir da segunda-feira, 28/04/2014, em decorrência do descumprimento, por parte do Tribunal, do acordo da greve firmado com o Sindicato em 18/04/2013. Comunicou, ainda, sobre os demais encaminhamentos da AGE em relação à  mobilização pretendida pela categoria até que sejam cumpridos os principais itens do acordo: envio de anteprojeto de lei à Assembleia Legislativa instituindo a exigência de formação superior para ingresso no cargo de oficial de justiça; e implantação da Resolução 153 do Conselho Nacional de Justiça, que determina aos tribunais a indenização justa e antecipada das despesas de transporte dos oficiais de justiça pelo cumprimento das diligências.
O Sindicato também protocolou ofícios direcionados ao presidente eleito do TJMG, desembargador Pedro Carlos Bitencourt Marcondes, que tomará posse em 30 de junho; ao presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado Dinis Pinheiro; e ao procurador geral de Justiça do estado, Carlos André Mariani Bittencourt. Nesses ofícios, o Sindicato comunica sobre as deliberações da AGE, pede o apoio e compreensão dessas autoridades em relação à mobilização dos oficiais de justiça e coloca a entidade à disposição das mesmas “para prestar melhores esclarecimentos e contribuir para a melhoria da prestação jurisdicional”.
Cópias dos ofícios:
 
Fonte: SINDOJUS/MG
Publicado em MeirinhoMorOficial por RUI RICARDO RAMOS